sábado, 4 de agosto de 2007

Excelência

"Um rio que tudo arrasta se diz violento.
Mas não se dizem violentas as margens que o oprimem"
Bertolt Brecht



Em que loja se vende decência?
dizei-me excelência
para que eu possa comprar
e emprestar só um pouco
ao egrégio conselho
que veja no espelho
um justo pensar.


Em que livro aprendestes justiça
essa que distribuís
onde o prato da balança
quem corrompe é o juiz?
Por que perseguis os simples
os que não tem nome ou poder
que clamam respeito e igualdade
na hora de promover?


Mas deles sugastes os votos
com um discurso maroto
não vos apoquenteis, tereis troco
basta esperar para ver.


Continuai nesse “bom” governo,
agradando uma meia dúzia
e esquecei o grito do povo:
“é a sonora plebe, é a súcia!”
Satisfeitas as vaidades
sereis ao fim descartado
pois a meia dúzia que aplaude
vai parasitar outro lado.


Não sou juiz, mas não sou cego
e a coragem me vem por herança
aprendi com a fome, criança
que a vida é bem mais do que pão
é a luta pela igualdade
é a bandeira da liberdade
fincada no coração.


Em que loja se vende excelência?

.

2 comentários:

João Marcelo Moreira Trovão disse...

Contra toda prepotência, só o lamento...
Contra toda injustiça, a reação...
E contra uma acusação... a poesia!
Parabéns Juarez, seu poema é lúcido e realista, sem perder a graça e a leveza!
Aprendi do berço que cada um só dá o que tem!
Também gostaria de transcrever aqui trecho de vosso poema como reforço, para o ver tilintar na consciência de nosso Procurador-Geral: "... Satisfeitas as vaidades... Sereis ao fim descartado... pois a meia dúzia que aplaude... vai parasitar outro lado.

Flávia disse...

Por que será, que após a vedação de cometários anônimos neste espaço, as postagens deste blogger não recebem mais tantos comentários????
Claro, que este espaço não é só acessado por colegas promotores, mas isso é um indício de que nossa classe, tão combativa para apontar o erro do outro, como prefeitos e demais réus em nossas demandas, sente-se tímida para expressar suas idéias, convicções e posicionamentos, quando tem que se mostrar, sem máscaras, sem a proteção de um anonimato. Mostrar-se como se é, exige extrema coragem!!!Por que o nosso Ministério Público está tão tímido???
Digo no meu gabinete de trabalho e nas falas para o público, quando reclamam da atuação do prefeito e demais governantes, que cada povo e comunidade tem o governo que merece, pois este povo e comunidade elegeram aqueles que os dirigem.
Nossa instituição de igual forma!!
Então penso que esta postagem não se refere apenas aos nossos dirigentes da instituição, mas
a cada colega que se beneficia de uma ação dessa mesma direção, ou que nao tem coragem de defender o que pensa, transformando como verdadeiro agente social a realidade que lhe cerca,a começar na lição de casa.
Um Ministério Público que se esconde, em alguns colegas, não tem condições de defender a contento a sociedade.
É preciso repensar a atuação de cada um de nós, e ver que se o barco afundar, não haverão sobreviventes. Ontem tive a oportunidade de estar presente num aniversário de um conselheiro da OAB, e senti fora das salas de audiências, o asco que os advogados sentem pela figura do promotor de justiça. E como eles assim, pensam os delegados, os defensores e quiça em alguns momentos a sociedade quando é contrariada em suas expectativas. Promotor só é aplaudido por promotor ou por aqueles que no momento foram agradados com sua atuação. Ou seja, precisamos de união se quisermos sobreviver como instituição!!!! Não foi à toa que a CF instituiu a unidade, indivisibilidade do Ministério Público, parecia que previa suas inimizades. Repensemos nossa atuação, administrativa, funcional e etica, para manter a longo prazo nossos bons salários.
Flávia Valéria