quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Menor

Apequena-se o Ministério Público ante pares e paceiros ou seus servidores lamuriam-se empachados? Não se pode almejar que ceguem ao encarar outros contracheques. Nem se vislumbra que exista rumo em sua política de pessoal que possa enfrentar esse paradoxo. Digo: rumo profissional.

Tentar outro emprego é questão de sobrevivência. Seus membros também o fariam se não estivessem encapsulados em paridades, tetos e subtetos. Por isso, mais dia menos dia, aquele bom funcionário nos diz “Até!”. Passa em outro concurso e vai.

Quem almejar o comando do MP deve esquecer o umbigo por um dia e assumir um debate exclusivo com seus servidores. Propostas concretas. Nada de “vamos estudar”, “vamos valorizar” e outras infantilizações do gênero. Entender os interessados seria um bom começo. E, até maio, dá tempo. Quem foi que disse que somos uma instituição menor?
(Ilustração recolhida aqui)

8 comentários:

Galdêncio Nogueira Cantanhede disse...

Toda Instituição que se preze precisa, e depende, de bons servidores. É impressionante como o MPE não vislumbra isso, permitindo, através da mal remuneração, que experientes servidores alcem voos para outros ares, onde serão melhor remunerados. Pois, a despeito de qualquer discurso, é necessário ter uma vida digna, haja vista que é única, e efêmera.

Ítalo Gustavo disse...

Trata-se de uma verdade. E ponto.
Não é possível pensar uma parte e esquecer do todo. Daí porque é louvável a preocupção de um promotor com uma questão específica os servidores.
http://notasjudiciosas.wordpress.com/

Não sei quem disse...



“Parabéns ao...”

Caro leitor, as regras do blog pedem que se identifique. Agradecemos sua compreensão.

sandro bíscaro disse...

Esses discursos de "vamos estudar, vamos valorizar" é exatamente igual aos gerundismos que ouvimos dos SACs da vida, "estaremos providenciando, resolvendo, etc.". Tudo isso significa "não resolverei e não tenho coragem de dizer".
Na verdade, quando não valorizamos nossos servidores, também não nos valorizamos. É que sem servidores qualificados, motivados e valorizados, a atividade ministerial fica comprometida. Dizer o contrário é falácia, hipocrisia. É egoísmo. É contentar-se com o gordo subsídio e ignorar nossa equipe e a sociedade. É egocentrismo.
Para complicar, as funções comissionadas distribuídas sem qualquer critério desmotivam o servidor que, por óbvio, não aceita tal situação. Por que não fazer com as FCs um rodízio, como se faz com as gratificações dos promotores eleitorais?

Marcelo disse...

Todo o Ministério Público tem por base o trabalho de seus servidores, incluindo aqueles muitos que, na prática, laboram como assessores de promtores sem auferirem qualquer comissão.
Apesar do MP ser uma instituição que desperta o amor de seus servidores, a recíproca não é verdadeira, nos levando a buscar, infelizmente, outras vagas no TJ, AGU, TRF, etc.

Carlos Menezes disse...

Prezados,
Infelizmente não é de hoje que o MP maranhense maltrata os seus!
E quando se trata de servidores, então, é que a coisa pega!
Não é segredo para ninguém que há dois MPs: um dos membros e outro dos servidores!
E, mais: infelizmente, nós, promotores sem poder de decisão acerca da remuneração e gratificação dos servidores, ficamos a ver navios, enquanto os melhores servidores da instituição, após anos de treinamento e de trabalho profícuo, se vão para outras paragens, à busca do melhor para si e suas famílias! E com razão...
E, então, o que fica?
Fica uma instituição empobrecida, ainda que em parte, no seu capital mais valioso, o humano, que, literalmente leva a instituição nas costas...
Sinceramente, não sei o que seria da promotoria em que sirvo se não fossem os valentes servidores que me auxiliam já que, com tamanha carga de atribuições, é impossível dar conta do serviço!
A eles, pois, meu público reconhecimento, que apenas é um pouco do que posso fazer!
Assim, apenas para enriquecer o debate, seria interessante que os candidatos a PGJ se propusessem a exercer o seu múnus sem a renca de auxiliares e bajuladores que os seguem, como impõem aos promotores que, quase sozinhos, tentam, muitas vezes em vão, apagar o incêndio da floresta que os cerca!
Que tenham melhor sucesso em outras instituições, os servidores ministeriais que puderem sair, enquanto os que ficam se preparam para passar nos demais concursos...
A contar no encardido discurso dos mais antigos membros do MP que quedam encastelados em seus gabinetes, não vai sobrar quase ninguém para nos auxiliar!
Deixa que eu, sozinho, atendo o telefone, faço a triagem do atendimento, recebo e protocolo os processos... e apago a luz quando eu sair!!!
Se o MP não acordar, ficarão só os seus membros, desprovidos de qualquer auxílio, para fazer tudo, e não conseguir fazer mesmo nada!
Até breve...

sandro bíscaro disse...

Faço das palavras do colega Carlos Menezes, as minhas, e aproveito para sugerir ao Sindicato dos Servidores que levante a questão e, quando da apresentação dos candidatos a PGJ, provoque-os para que se manifestem.

Amy disse...

Os servidores do MP são tratados como um NADA pela Administração Superior, que preferem fingir que vai tudo bem!
Só no último concurso do TJ e TRE do Maranhão saíram da nossa Instituição mais de 15 servidores com três anos de MP e quanto mais o tempo passa esse número vai aumentando.
Como falou Dr. Carlos Menezes daqui a pouco não existirá mais servidor concursado não, tá todo mundo caindo fora desse barco.
Digo mais, 90% ou mais dos servidores tem nível superior e estão bem preparados para exercer a função mas Procuradoria fecha os olhos pra tudo isso!
Alguns poucos promotores se sensibilizam com a nosssa causa e isso ajuda a sermos mais esquecidos ainda pela PGJ.
Eu como servidora agradeço muito o apoio do Dr. Juarez, Sandro e Carlos que mostram que se importam com os nossos problemas.Se pelo menos a metade dos promotores e procuradores tivessem essa postura a realidade dos servidores seria outra!!!
Gente vc ganhar 1500 reais tendo família e casa pra sustentar é uma miséria!!!
Outra coisa, nosso sindicato foi perseguido várias vezes so porque estavamos reivindicando os nossos direitos.
A Procuradoria alega que eles não tem verba para melhorar nossos salários só que vários levantamentos feitos até mesmo pela gestão anterior demonstra que existe VERBA SIM o que falta é vontade de fazer!
Mas o GRANDE PROBLEMA é que servidor não vota né, é muito triste vc gostar tanto de uma instituição.......está trabalhando nela e não ser reconhecido!!
Peço aos promotores e procuradores que tenham mais sensibilidade com a nossa causa!!
Um abraço a todos